28 de ago de 2009

FESTIVAL INTERNACIONAL DE JAZZ DE OURO PRETO


A cantora norte-americana criada na França Madeleine Peyroux, que já foi comparada a Billie Holiday, é uma das principais atrações do 6º Festival Tudo É Jazz em Ouro Preto, que acontece de 13 a 16 de setembro deste ano.
O evento, considerado um dos melhores do gênero no país, reúne artistas dedicados à vertente contemporânea do jazz mundial como João Donato, Joshua Redman Trio, Wallace Roney e Maria Schneider. Além de lembrar Holiday na interpretação, Peyroux começou a cantar nas ruas de Paris, a exemplo da maior cantora da música popular francesa no estilo chanson, Edith Piaf.
Não é à toa que ela interpreta músicas da autora do clássico "La Vie En Rose".
Madeleine também ficou conhecida mundialmente por tocar canções de Johnny Mercer, Charlie Chaplin e Serge Gainsbourg pelas ruas de Nova York, cidade onde vive hoje. Seu segundo álbum "Careless Love" (2004) vendeu mais de um milhão de cópias no mundo.
O trabalho de estréia foi "Dreamland" (1996), lançado quando ela tinha 22 anos. O repertório do disco mais recente "Half the Perfect World", produzido por Larry Klein, deve ser apresentado em Ouro Preto.
Nos shows ainda é possível ouvir blues e canções pop de Leonard Cohen, Bob Dylan e Hank Willians. O Festival Tudo É Jazz traz também o saxofonista Joshua Redman, acompanhado de sua banda. O seu último trabalho "Back East" é um tributo a Sonny Rollins, parceiro de Thelonious Monk durante anos. Em 1991, Redman venceu o primeiro prêmio para sax tenor no renomado concurso "Thelonious Monk International Jazz Saxophone Competition".Outro destaque da programação é o criativo Wallace Roney, conhecido por ser "discípulo de Miles Davis". Ele deve apresentar sucessos dos 12 CDs lançados com o seu sexteto e canções feitas em parceria com grandes nomes do jazz, a exemplo de Herbie Hancock e Joni Mitchell. O pianista, acordeonista, arranjador, cantor e compositor João Donato irá se apresentar ao lado do saxofonista norte-americano Bud Shank. O trabalho marca o reencontro dos dois músicos depois de 30 anos, com clássicos do jazz e canções feitas por Donato, um dos maiores criadores de bossa nova e música popular brasileira.
O encerramento do evento fica por conta da cantora Maria Schneider, maestrina e compositora que comandará 22 músicos brasileiros no Largo do Rosário, com a participação especial de Ivan Lins e Marina Machado.



FESTIVAL INTERNACIONAL DE JAZZ DE OURO PRETO - TUDO É JAZZOnde: Ouro Preto (MG)Quando: De 13 a 16 de setembroIngressos: R$ 80 (estudante) e R$ 160 por dia

MUSIC STATION 2009


Programação19 de setembro
Palco Santa Inês
00h15 – Vanguart
Palco Minas Shopping
00h15 – Macaco Bong
Palco Vilarinho
00h30 – Lenine
2h – Cordel do Fogo Encantado

26 de setembro
Palco Santa Inês
00h15 – Nasi
Palco Minas Shopping
00h15 – Forgotten Boys
Palco Vilarinho
00h30 – Diogo Nogueira
2h – Mart'nália

3 de outubro
Palco Santa Inês
00h15 – Funk Como Le Gusta
Palco Minas Shopping
00h15 – Curumin
Palco Vilarinho
00h30 – Zeca Baleiro
2h – Orquestra Imperial

Data: 19 e 26 de setembro e 3 de outubro
Horário dos shows: 00h15
Local: Estações do Metrô de Belo Horizonte – Central, Santa Inês, Minas Shopping e Vilarinho. Entrada obrigatória pela Estação Central – Praça da Estação, Centro, BH/MGPortões abertos às 23h30.Ingressos: R$ 80,00 inteira e R$ 40,00 meia-entrada

Ingressos limitados por noiteVendas de ingressos: Ticketmaster – Livraria Leitura(Savassi e BH Shopping) e bilheteria Chevrolet Hall – 0300.7896846
Informações: (31) 32642423
http://www.bhmusicstation.com.br/www.twitter.com/bhmusicstationhttp://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=92324781

FESTIVAL GARIMPO 2009


Dia 04/09 - sexta
- Deco Lima e o Combinado (MG)
- Julgamento (MG)
- Wado (AL)
Dia 05/09 - sábado
- Pêlos de Cachorro (MG)
- Supercordas (RJ)
- Mopho (AL)
Dia 06/09 - domingo (véspera de feriado)-
-Blue Satan (MG)-
-Rockz (RJ)
- Violins (GO)
Dia 11/09 - sexta
- Graveola e o Lixo Polifônico (MG)
- Nuda (PE)
- Eddie (PE)
Dia 12/09 - sábado
- Transmissor (MG)
- Monno (MG)
- Los Porongas (AC)

A terceira edição do festival e acontecerá no Studio Bar, que fica na Rua Guajajaras n°842, no centro de BH (telefone: 31-3047-1020).

24 de ago de 2009

PET SHOP BOYS FAZ QUATRO SHOWS NO BRASIL EM OUTUBRO




O Pet Shop Boys confirmou quatro shows no Brasil. A dupla vai se apresentar em Belo Horizonte, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro em outubro, e os ingressos serão vendidos pelo Ingresso Rápido, em Brasília, e pela Ticketmaster em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.Os preços ainda não foram divulgados.
Confira as datas e locais dos shows do Pet Shop Boys no Brasil:
9/10 – Belo Horizonte - Chevrolet Hall (vendas a partir do dia 1º de setembro)
11/10 – Brasília – Marina Hall (vendas a partir do dia 1º de setembro)
13/10 – São Paulo – Credicard Hall (vendas a partir do dia 7 de setembro)
14/10 – Rio de Janeiro – Citibank Hall (vendas a partir do dia 7 de setembro)
A gente se encontra lá!
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

22 de ago de 2009


21 de ago de 2009

VINTE ANOS DA MORTE DE RAUL SEIXAS


No dia 21 de agosto de 1989, era encontrado num apartamento na Rua Frei Caneca, em São Paulo, o corpo de Raul Seixas. O cantor baiano tinha apenas 44 anos, e morreu vítima de uma pancreatite, provocada por anos de abuso de álcool. Mesmo após vinte anos de sua morte, o interesse do público pela obra do músico não dá mostras de ter diminuído. Tanto que, até hoje, o grito 'Toca Raul' - meio a deboche, meio a sério - ainda é ouvido por aí.
Raul Seixas cantava rock numa época em que isso era quase uma excentricidade no Brasil. Mas, ao mesmo tempo em que era fã de Elvis Presley, também admirava o baião de Luiz Gonzaga. Sempre foi um artista essencialmente popular, e isso, ao mesmo tempo em que proporcionou uma identificação com o público que continua mesmo após a sua morte, também lhe valeu o desprezo de boa parte da crítica.
O sucesso de público, no entanto, demorou para chegar para o cantor. Seu primeiro álbum, Raulzito e os Panteras (1968), não emplacou. O segundo, Sessão das 10 (gravado em parceria com Sérgio Sampaio, Miriam Batucada e Edy Star), teria sido produzido em segredo. A lenda, nunca oficialmente confirmada, diz que as gravações aconteceram sem o conhecimento da direção da gravadora CBS, onde Raul trabalhava na época.
Foi só com o disco Kring-Ha Bandolo, de 1973, que o cantor foi reconhecido. Nele estão seus
primeiros sucessos, "OUro de Tolo", e mais duas músicas que se tornariam clássicos de sua carreira, "Metamorfose Ambulante" e "Mosca na Sopa". Metade das faixas foi escrita em parceria com Paulo Coelho. A parceria entre ele e Raul durou diversos discos, e ainda rendeu sucessos como "Gita" (1974) e "Tente Outra Vez" (1975).

A metade dos anos 1970 é considerada a fase clássica de Raul Seixas. Isso não significa, porém, que tenha sido uma época fácil para ele. Junto com o sucesso, vieram os problemas com a ditadura militar. Teve diversas canções censuradas e, em 1974, chegou a ser preso e torturado pelo Dops (Departamento de Ordem Política e Social). Por causa disso, passou uma temporada nos Estados Unidos.

É dessa época a canção "Gospel", composta em parceria com Paulo Coelho para a trilha sonora da novela "O Rebu". A versão completa da música só foi lançada agora, na esteira dos vinte anos da morte de Raul. Em 1974, a música saiu com cortes impostos pela censura. O áudio original, no entanto, foi guardado pelo produtor Marco Mazzola, que agora a lançou com nova produção e participação de Roberto Frejat.

A canção está no CD 20 Anos sem Raul Seixas, que chega às lojas na semana que vem. O álbum traz algumas raridades, como takes alternativos e versões em inglês de músicas como "Ouro de Tolo" (que virou "Fool's Gold") e "Asa Branca", de Luiz Gonzaga. Junto com o CD, sai também um DVD com o mesmo nome. Trata-se de uma reedição do documentário "Raul Seixas Também É Documento", de 1998, com um extra: o clipe da música "Morning Train".

Mas a grande homenagem a Raul promete ser o filme "O Início, o Fim e o Meio". Trata-se de um documentário dirigido por Walter Carvalho e Evaldo Mocarzel, que já está em fase final de produção e deve chegar aos cinemas ainda este ano.
Vamos aguardar!
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

18 de ago de 2009

PRÊMIO MULTISHOW 2009


A casa de shows Citibank Hall, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, promete ter as estruturas abaladas na noite desta terça-feira. O motivo é a megaconcentração de artistas que aparecerão no local para o 16° Prêmio Multishow. Com o tema "Misture-se", o evento garante música de qualidade, rostos bonitos no tapete vermelho e troféus distribuídos com o aval de Fernanda Torres, mestre de cerimônia.
Até ano passado, a premiação do canal de TV paga acontecia no Theatro Municipal, mas como o local está em obras, passou para o Citibank. Esta é uma das mudanças que o evento sofreu. Outra é a entrada de Joana Mazzucchelli na direção do show. Liminha comanda a parte musical, e os fãs podem esperar, como já diz o tema, uma mistureba total.
A barriguda Ivete Sangalo subirá ao palco ao lado de Zeca Pagodinho. Marcelo D2 anima com Seu Jorge e mais: Nina Becker, a revelação Maria Gadú e Roberta Sá, os novos nomes da MPB.
Como sempre, as bandas hardcore têm sua vez: Fresno, Strike e os meninos dos NX Zero dividem o microfone. A diabinha-vestida-de-anjo Ana Cañas aparece com Arnaldo Antunes. Rodrigo Amarante, ex Los Hermanos, canta com o Little Joy. E ainda tem o homenageado surpresa da noite. Fortes emoções, não?!
A edição 2009 ainda traz duas categorias novas na disputa: Melhor Iniciativa e TVZé. No total, serão doze prêmios entregues. O troféu de Melhor Iniciativa vai para o artista que divulgou seu trabalho de forma mais inovadora por meio das novas mídias.
Já o TVZé, já conhecido na programação do canal, leva ao palco um anônimo que melhor parodiou uma música brasileira.
A premiação, como no ano passado, será transmitida também via internet. O Twitter também estará presente e artistas como Pitty (@pittyleone) e Haroldo, do Skank (@skankoficial) twittarão diretamente da plateia.
Vale reforçar: para quem não sabe, os vencedores foram decididos por voto popular por meio do site da premiação. A votação chegou ao fim no domingo (16). Quem deu sua opinião, opinou. Agora é só esperar para ver a vontade geral.
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

17 de ago de 2009

FESTIVAL DE PERFORMANCE EM BELO HORIZONTE


Com o objetivo de mapear e fomentar a cena de artistas que trabalham com a interseção de linguagens, tem início, hoje, o 1º Festival de Performance de Belo Horizonte. Além de debates e oficinas, a programação prevê apresentações de grupos e artistas do Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo e também de outros países, como Itália, Estados Unidos e Inglaterra. As atividades, que se estendem até o próximo domingo, dia 23, estarão concentradas no Galpão Cine Horto e no entorno daquele espaço. O tema dessa primeira edição do festival é uma pergunta que propõe uma reflexão: O Que É Performance Arte?

"A escolha dessa questão central para nortear o evento é uma forma de provocar discussões sobre a amplitude do termo que abarca uma grande pluralidade de expressões artística", explica Denise Pedron, coordenadora do festival ao lado de Ricardo Garcia e Rubens Rangel. Ela destaca que a ideia de se realizar uma mostra internacional de performances na cidade começou a tomar corpo há três anos, vinculada à tese de doutorado que desenvolvia.

"Na verdade, desde 2002 que eu e o Ricardo desenvolvemos uma pesquisa sobre performance. A gente se questionava sobre a existência de uma cena em Belo Horizonte, sobre quantas pessoas atuavam nela e quais as possibilidades de desenvolvimento", aponta. "A princípio, esse festival teria um outro formato, de encontro, mas resolvemos ampliar e abarcar também uma mostra, na tentativa de mapear o que é feito na cidade", diz. Ela destaca que a programação foi montada com artistas convidados e outros selecionados.

"Procuramos pessoas que tivessem um trabalho de performance com as linguagens que elegemos, a palavra, o corpo e o som. Chegamos a três convidados que consideramos ter um trabalho potente", diz, referindo-se ao ítalo-suíço Luca Forcucci e aos brasileiros Lucio Agra e Rick Seabra. Além de apresentar suas performances eles vão ministrar oficinas ao longo do evento.

Para compor a programação, os coordenadores lançaram edital para selecionar dez trabalhos locais. "Além disso, temos outros convidados de Belo Horizonte. A Cia. Suspensa, por exemplo, vai fazer uma mostra de trabalhos de residência desenvolvidos com o grupo inglês Scarabeus Theater", diz. Ela aponta que outro convidado é Otávio Donasci, que vai apresentar suas "videocriaturas". "Hoje em dia, além da multiplicidade de linguagens, a gente vê a projeção de imagens como elemento forte dentro da performance. É um campo muito vasto e cada vez mais esse tipo de trabalho troca com as novas tecnologias", diz.

A programação completa e outras informações pode ser conferidas no site www.festivaldeperformancebh.com.br.
Te encontro lá.
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

16 de ago de 2009

CD SOLO DE FÁBIO LUNA

Gente, na semana passada eu e toda galera da Delas Web Rádio estivemos presentes no lançamento do CD da banda CARAIVANA. Foi um show delicioso. O CD já está nas lojas e você não pode deixar de conferir.
Em uma postagem anterior está o vídeo de uma apresentação que eles fizeram no Rio de Janeiro.
E eu não posso deixar de apresentar pra vocês o trabalho solo do Fábio Luna que é um dos integrantes do Caraivana mas que depois de 17 anos de carreira como instrumentista lança também seu primeiro trabalho autoral. O CD leva o nome do músico e traz dez sambas com letra e melodia compostas por Luna. A produção é de Daniel Vangarde, que ficou responsável por trazer grandes nomes para o álbum, como Marcos Esguleba e Paulão Sete Cordas. O primeiro single é "Vai Filhão" e seu clipe conta com uma participação especial de Claudio Manoel, do "Casseta & Planeta, Urgente!". Abaixo eu postei pra você o Clipe. Confira e depois me conte o que achou.
TMais!
Rodrigo Salgueiro

8 de ago de 2009

LANÇAMENTO DO CD DA BANDA CARAIVANA




A banda Caraivana surgiu em Caraiva, cidade do sul da Bahia. São seis músicos de diferentes partes do país que se conheceram em férias, há 5 anos. Ficaram amigos e passaram a se encontrar todos os verões para curtir o lugar e tocar música popular brasileira. Com o passar do tempo surgiu tamanha identidade musical e pessoal entre eles que o produtor francês Daniel Vangarde os convidou para gravar um álbum com as musicas que tocavam todas as noites no vilarejo à beira do rio, sob a lua e o céu estrelado, para deleite dos nativos e dos turistas. O astral de informalidade então se transferiu para o estúdio Mosh, em São Paulo. E nesse clima de descontração e amizade foi gravado o primeiro CD da bandaq.

Douglas Lora é violonista e compositor, transitando com versatilidade entre os universos da musica clássica e popular. Como concertista, vem se estabelecendo no cenário de violão classico internacional com apresentações nos principais festivais e salas de concerto das Americas, Europa e Asia. Concluiu seu Bacharelado em composição e instrumento e Mestrado em Performance pela Universidade de Miami.
Dudu Maia, bandolinista, vem se destacando no Brasil e no exterior através de um trabalho criativo e original como instrumentista, compositor, arranjador e produtor musical. Com seu bandolim de dez cordas, o músico traz uma abordagem que amplia a performance do instrumento tradicional de quatro pares, tanto em recursos harmônicos, quanto em extensão.
Alexandre Lora é instrumentista, baterista e percussionista, que desde cedo teve contato com a musica, possibilitado por sua mãe e seu irmão Douglas. Concluiu o bacharelado em bateria, estudou percussão clássica e popular com grandes nomes como Ney Rosauro. Conclui um mestrado em etnomusicologia em Barcelona, onde trabalha com grupos de musica brasileira.
Alex Souza é brasiliense, ator, cantor, compositor e violonista. No caminho da música, foi influenciado pelo pai Jeremias Gonçalves, músico e mestre , pelo irmão Paulo Cesar, compositor e amigo, e pelos encontros familiares sempre regados de amor materno e de som.
Fabio Luna é carioca, flautista, percussionista, compositor e intérprete. Começou seus estudos de música aos 7 anos de idade. Estudou licenciatura em musica na UNI-Rio e trabalha como musico profissional há 16 anos, acompanhando artistas e desenvolvendo seus próprios projetos.
Wanderlino lopes da silva júnior ("juninho billy joe") nascido em Caraíva, percussionista e compositor, teve contato com a musica através dos incentivos da familia, dos amigos e de Fred Eça, filho de um dos fundadores da bossa nova, Luizinho Eça. Faz parte como cantor da banda de Forró Triângulo Caraíva.

E você está convidado para o lançamento do primeiro CD da Banda Caraivana:
  • Rio de Janeiro - 04 e 05 de agosto no Posto 8
  • Belo Horizonte - 11 e 12 de agosto na Utópica Marcenaria
  • São Paulo - 18 e 19 de Agosto no Ao Vivo Music
  • Brasília - 24 e 25 de agosto no Clube do Choro SDC

Te encontro lá.

TMais!

Rodrigo Salgueiro

6 de ago de 2009

INFORMATION no BRASIL


Amigos amados do Rio amanhã heimmm...rs
Pessoas queridas de BH sábado é no Music Hall
Adorados e dengados paulistas é na próxima semana


De La Rívia

5 de ago de 2009

GRUPO GALPÃO NO CINEMA


Nesta sexta-feira, 07 de agosto, estreia nos cinemas de Belo Horizonte (Cine Belas Artes - Liberdade), Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, o filme "Moscou", de Eduardo Coutinho e que conta com a participação dos meus grandes amigos do Grupo Galpão.
Confira o trailer de "Moscou":
Eu volto com novidades!
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

47 ANOS SEM MARILYN MONROE



Se hoje fala-se tanto em Madonna, Britney Spears, Lindsay Lohan e Megan Fox, a razão atende pelo nome de Marilyn Monroe. Primeira grande celebridade do showbizz, ela é a tradução exemplar do que é célebre.
Afinal, hoje em dia são feitas celebridades em pacotes, em padrões contestáveis da sociedade. A banalização da fama chega a ser prejudicial aos grandes mitos do entretenimento. Para recuperar o real significado de prestígio e glamour, nada mais justo do que retornar ao passado e relembrar a trajetória de Marilyn.
Neste 5 de agosto completa-se 47 anos de sua misteriosa morte. Porém, foi a grande estrela de sua geração. Talvez nem tanto pelo talento, mas sim pela capacidade de atrair a atenção do público e dos flashes. Uma vida sofrida, cheia de escândalos, sucesso e amantes foi o recheio certo para dar início ao que chamamos hoje de colunismo de celebridades.
"Eu sabia que eu pertencia ao público e ao mundo, não pelo fato de ser talentosa ou até mesmo bonita, mas porque eu nunca pertenci a nada ou a ninguém", afirmou Marilyn, em entrevista pouco antes de sua morte.
Após 47 anos de sua morte, o mundo ainda não presenciou um novo "furacão loiro". Ela deu sentido ao título de celebridade e fez escola pelo mundo. Deixou de ser um nome e passou a ser um tema presente em ensaios de moda, ícones da sensualidade, Hollywood, etc. Todos querem ser um pouco Marilyn Monroe.
O INÍCIO
Mas ela não nasceu Marilyn Monroe. E sim Norma Jeane Baker, que veio ao mundo no dia 1º de julho de 1926, em Los Angeles, Califórnia. Filha de Gladys Baker e pai desconhecido, a menina viveu boa parte de sua infância em orfanatos e casas de família. Sua mãe sofria com problemas psicológicos e foi internada em uma instituição mental. Aos 16 anos, Norma Jeane resolveu se casar com Jimmy Dougherty, de 21 anos, para não precisar voltar ao orfanato.
A carreira artística de Norma Jeane iniciou quando o fotógrafo Davis Conover a descobriu trabalhando na fábrica Radio Plane Munition. Em menos de dois anos ela já havia se tornado uma modelo profissional e estampado várias capas de revistas.
Sonhando com a fama, ela passou a estudar a vida de atrizes como Jean Harlow e Lana Turner. Inscreveu-se em um curso de teatro e se divorciou de Jimmy para assinar seu primeiro contrato com a Twentieh Century Fox, em 1946. Ali começava a nascer a artista.
Ganhando um pouco mais de US$ 120 por semana, Norma Jeane tingiu o cabelo de loiro e mudou seu nome artístico para Marilyn Monroe. Depois de algumas participações em filmes, a moça recebeu muitos elogios por sua atuação em "All About Eve" ("A Malvada"), ao lado de Bette Davis. A partir dali, Marilyn participou de várias produções conquistando o público com seu jeito de menina inocente e seus lábios de mulher fatal.
Um dos papéis mais memoráveis de sua carreira foi em "Gentlemen Prefer Blondes" ("Os Homens Preferem as Loiras"). Marilyn foi eleita a melhor atriz iniciante de 1953 e já havia conquistado Hollywood. Em 1954, Marilyn voltou a trocar alianças, desta vez com o jogador de beisebol Joe DiMaggio. No início de seu relacionamento, a bela declarou que ainda não sabia se estava apaixonada por ele. "Mas eu sei que eu gosto dele mais do que qualquer homem que já conheci", disse à imprensa na época.
Sua fama de símbolo sexual acabou fazendo com que o casamento terminasse nove meses depois. O casal continuou a amizade.
Disposta a provar que era muito mais do que uma loira sensual, Monroe mudou-se para Nova York e voltou a estudar teatro. Em 1956, ela abriu sua própria produtora, a qual levava seu nome.
Com "Some Like It Hot" ("Quanto Mais Quente Melhor", de 1959) a atriz conquistou um Globo de Ouro como melhor atriz de comédia. Antes do prêmio, em 1956 ela havia se casado com o dramaturgo Arthur Miller. A personagem Roslyn Taber de "The Misfits" ("Os Desajustados") foi escrita especialmente por Miller para sua esposa. Porém, a união terminou em 1961.
Em 1962, Marilyn foi escolhida pelo Globo de Ouro como a personalidade feminina favorita do cinema mundial. No dia 5 de agosto do mesmo ano, Marilyn Monroe morreu aos 36 anos enquanto dormia na sua casa em Brentwood, Califórnia. Dizem que foi abuso de remédio, mas teorias surgiram. Desde assassinato pela Máfia até vingança do ex-presidente John Kennedy, que teria tido um caso com a loira.
CURIOSIDADES

- Uma dos momentos mais marcantes de Marilyn Monroe aconteceu fora de cena. Atrasada para homenagem ao presidente dos Estados Unidos, na época John Kennedy, ela surgiu sexy em longo vestido de seda surpreendendo a plateia. Iluminada por um canhão de luz, Marilyn apareceu cantando "Happy Birthday" com uma voz extremamente sensual.
- Marilyn Monroe era uma figura curiosa e sabia disso. Um de seus charmes era falar dela mesma na terceira pessoa, no melhor estilo: "Não, Marilyn não faria assim".
- Em 1999 foi eleita a mulher mais sensual do século 20 pela revista "Playboy" e a mais sexy do mundo pela "People".
- Elton John gravou a música "Candle in the Wind" em homenagem a Marilyn Monroe. Madonna também se inspirou no ícone do cinema e lançou a música "Material Girl" baseada na performance da atriz em "Diamonds Are Girls Best Friends".
- No filme "The Seven Year Itch" ("O Pecado Mora ao Lado"), Marilyn marcou o imaginário de todos durante uma cena a qual seu vestido é levantado pela ventilação do metrô. A produção rendeu o prêmio de Melhor Atriz Estrangeira na Academy Award britânica.
Volto depois com outras notícias pra vocês.
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

2 de ago de 2009

ROSIE AND ME



Alex morava no Rio e Rosie em Curitiba: ela gravava as bases da música no computador e depois ele sincronizava e complementava os arranjos, tudo à distância. Eles Disponibilizaram as faixas produzidas por eles no Last Fm e, em dois meses, o número de ouvintes aumentou inesperadamente; foi quando convidaram amigos e formaram uma banda.
Eu estou falando da Banda "ROSE AND ME" que eu descobri em minhas andanças pela internet.
Eles criam canções compostas por melodias singelas, emolduradas por arranjos discretos e leves, funcionando como veículo para o jogo entre as vozes de Rosanne Machado, a Rosie - doce e de textura levemente áspera - e Alex Sousa - de timbre grave e informal.
Eu me apaixonei com o clipe da música "Old Folks". E pra você conferir é só clicar no link abaixo.
Deixe seu comentário e na próxima quarta essa banda entra na programação do Parafernália.
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro

"SHE WOLF" - NOVO CLIPE DE SHAKIRA


Conforme prometido a algumas postagens em nosso blog, assim que a cantora Shakira lançasse seu mais novo trabalho "She Wolf" a gente postaria aqui pra você. E ela vem mais sensual do que nunca. Confira no link abaixo e depois comente aqui em nosso blog.
TMais!!!
Rodrigo Salgueiro